Portais da Cidade
Xplosion games

Notícias na 25 de março

Listando: 1 à 5 de 1237
VIASAT LANÇA PRIMEIRO PILOTO DE WIFI COMUNITÁRIO NO BRASIL

O programa leva serviço de internet gratuita, com velocidade de até 25 Mbps, para 20 comunidades do interior paulista.


POUSO ALTO, BRASIL, foto Rafael Roncato/Divulgação

Após liberada pelo Tribunal da Contas da União (TCU) para dar continuidade aos seus negócios no país, a Viasat lança oficialmente seu primeiro serviço de WiFi comunitário no bairro de Pouso Alto – região serrana com cerca de 2.400 habitantes, situada no município de Natividade da Serra, em São Paulo. A expectativa da operadora, até o final de 2019, será atender 20 comunidades no interior

paulista e implantar o serviço na região Nordeste.

O programa em Pouso Alto, que leva conectividade em banda larga via satélite com velocidade de até 25 Mbps, será gratuito nos dois meses iniciais. “Como cada comunidade apresenta características específicas, esse período servirá para fazer os ajustes necessários de forma a atender com qualidade a demanda da região”, explica Kevin Harkenrider, vice-presidente da Viasat.

Segundo ele, por enquanto, ainda não foram definidas as modalidades de pagamento do usuário pelo serviço, que poderá ser por pacote de dados ou tempo de uso. O preço, ainda em estudo, deverá variar de R$ 2 a R$ 3.

Consta dos planos da operadora lançar o serviço de banda larga residencial até o final do ano, no mesmo modelo adotado nos Estados Unidos.


Kevin Harkenrider, vice-presidente da Viasat e Lisa Scalpone, VP Latam e Brasil da Viasat (foto Rafael Roncato/Divulgação)
Nordeste: a próxima parada

Para a instalação e manutenção da infraestrutura do serviço WiFi comunitário nos 20 pontos de teste no estado de São Paulo, a Viasat está trabalhando em parceria com a Visiontec, anunciada no início de junho. Na região Nordeste, a operadora norte-americana estabelecerá novas parcerias com fornecedores locais, que ainda não foram definidas, segundo Harkenrider.

O Brasil é o segundo país a receber o serviço de hotspots de WiFi Comunitário da Viasat, que foi lançado em 2018, no México. Atualmente, 1,5 milhão de mexicanos estão usufruindo das facilidades da internet na sua comunicação do dia a dia.

Movimento intenso na padaria

O bairro de Pouso Alto é uma das opções de paradas na serra para quem vai para Caraguatatuba e outras cidades próximas, no litoral. Considerado o estabelecimento mais movimentado da região, a padaria Dú, situada bem em frente a uma escola, foi o lugar escolhido pela Viasat para instalar sua antena. Nesse bairro os alunos costumam estudar até o 3º ano do Ensino médio.

O que mais surpreendeu a equipe da Viasat com a experiência, até o momento, foi o volume de downloadings realizado pela comunidade, desde a implantação do serviço, no último dia 3 de julho. No quinto dia de operação do sistema, o consumo já ultrapassava a faixa de 100 GB, o que representa um uso médio diário de aproximadamente 15 GB a 20 GB. “Trata-se de um consumo alto, que superou

nossas expectativas”, afirma Lisa Scalpone, VP e gerente geral da Visat do Brasil.

De fato o movimento intensificou, após a instalação da antena oferecendo serviço gratuito de internet, confirma Marco Aurélio de Souza, proprietário da padaria: “A rotina já começa a mudar com a internet de alta velocidade. Agora é possível ter acesso às contas bancárias, falar com parentes distantes, usar o WhatsApp e Facebook. Há até usuários interessados em colocar o serviço em suas residências”, explica.

A região costuma ser atendida com soluções de acesso a banda larga dos provedores HughesNet, via satélite, e Niponet, via radio. Os serviços de telefonia móvel não são dos melhores, devido à topografia da região. Para se ter uma ideia, o sinal da TIM não pega e as demais operadoras só oferecem acesso 3G.

Satélite SGDC-1

O serviço de WiFi Comunitário fará uso do satélite SGDC-1, de propriedade da Telebras, que opera na banda Ka (de espectro de 18/28 GHz). Em fevereiro de 2018, a Viasat firmou um acordo com a Telebras para utilização comercial do satélite, servindo iniciativas como o WiFi Comunitário, internet residencial e comercial, e conectividade a bordo da Viasat. A parceria com a Telebras também inclui atender escolas públicas, unidades de saúde e outros serviços públicos sob a iniciativa do Governo Eletrônico – Serviço de Atendimento ao Cidadão (Gesac), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

A finalidade da Viasat com os hotspots de WiFi comunitário é fornecer conectividade de banda larga via satélite de custo acessível e alta velocidade para pessoas e lugares onde a conexão com a internet é lenta ou inexistente.

O serviço é escalável, pode ser implementado com o mínimo de investimento em infraestrutura local e oferecer internet com boa relação custo-benefício.

O sistema permite que moradores de uma comunidade se conectem à sua rede de internet por meio de um fornecedor de WiFi local. As instalações mais frequentes são realizadas em parceria com negócios locais situados em regiões centrais da comunidade.

(Fonte: Vera Franco) - 09/07/2019
Aplicativos de frete fazem concorrência aos Correios

O preço do frete no Brasil, muitas vezes, desestimula compras online. Os Correios, por exemplo, têm um sistema logístico pronto, porém de alto custo, abrindo espaço para o surgimento de tecnologias

que ofereçam um serviço similar mas mais em conta, como é o caso da ASAP Log.



Foto: TecMundo
A startup se posiciona como uma alternativa aos Correios para pequenas e médias lojas virtuais. Isso é possível porque ela não possui uma infraestrutura própria: por meio de um aplicativo, motoristas de motos, ônibus e caminhão podem se cadastrar para levar uma mercadoria de um ponto a outro.

Assim, a ASAP tem acesso a uma grande rede de entregadores, sem o elevado custo que os Correios têm — a título de comparação, um pacote de 5 kg enviado de Curitiba a Porto Alegre seria transportado por R$ 46,89 via Correios, por meio do sistema alternativo o custo cai para R$ 23,57.

A dinâmica é parecida com a de outros aplicativos de entrega, é preciso apenas um smartphone e um veículo para receber por fretes encomendados pelo app. O serviço está disponível apenas para lojas virtuais e já conta com dez mil entregadores cadastrados.

Crescimento
Entre as cidades que contam com o serviço estão São Paulo, Campinas, Brasília, Goiânia, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, além das principais cidades da região sul. Até o final do semestre, a empresa pretende atuar também em Belo Horizonte, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Franca.

(Fonte: TecMundo) - 09/07/2019
Divisão do Google de acesso à internet por balões ainda procura suas asas

A aposta do Google em balões para entregar serviço de redes de celular enfrentará um teste crucial em meio a dúvidas sobre a viabilidade da tecnologia por parte de alguns clientes em potencial.



19/05/2016 REUTERS/Stephen Lam - S1BETEZUEKAB
Foto: Reuters

O Loon, projeto do Google que pretende levar acesso à internet para áreas rurais e remotas, diz que seus balões chegarão ao Quênia nas próximas semanas para seu primeiro teste comercial. O teste com a Telkom Kenya, a terceira maior operadora do país, permitirá que os moradores de uma montanha tenham acesso à rede 4G a preços de mercado por um período indefinido. A autoridade de aviação do Quênia disse que sua aprovação final será assinada este mês.

Iniciado em 2011, o Loon pretende levar conectividade a partes remotas do mundo, usando equipamentos de rede movidos a energia solar em áreas onde as torres de celular seriam caras demais para serem construídas.

Seus balões de hélio do tamanho de quadras de tênis demonstraram ser úteis. Nos últimos três anos, o Loon permitiu que as operadoras de telefonia móvel no Peru e em Porto Rico usassem balões de graça para substituir as torres de telefonia celular derrubadas por desastres naturais.

As autoridades quenianas estão entusiasmadas ao tentar conectar mais cidadãos.

Mas executivos de cinco outras operadoras de telefonia móvel cortejadas pelo Loon em quatro continentes disseram à Reuters que o Loon não é adequado atualmente, e talvez nunca seja. Essas empresas, incluindo a Telkom Indonesia, a Vodafone New Zealand e a gigante francesa Orange, dizem que o Loon deve demonstrar que sua tecnologia é confiável, segura e lucrativa para as operadoras.

Hervé Suquet, vice-presidente de tecnologia e informação da Orange Oriente Médio e África, disse que o Loon precisa se provar no Quênia.

"Se os resultados forem positivos, estaremos potencialmente interessados", disse ele em um comunicado.

Outro problema é um processo alegando que o Google roubou as ideias do uso de balões de um concorrente em 2008. Um julgamento em tribunal federal está previsto para começar no dia 2 de agosto em San Jose, Califórnia. Se perder, o Loon pagará danos determinados pelo júri à Space Data, de Chandler, Arizona, que vende balões de comunicação para os militares dos EUA.

O Loon disse que vai "se defender vigorosamente".

Alastair Westgarth, presidente-executivo da subsidiária da Alphabet, expressou confiança em sua estratégia. "Múltiplas" entidades adicionais estão perto de assinar contratos com o Loon, disse ele. A força de trabalho da empresa triplicou para mais de 200 funcionários no ano passado.

O Loon também atraiu financiamento externo. Um braço da empresa de telecomunicações japonesa SoftBank investiu 125 milhões de dólares como parte de uma parceria neste ano. Acelerando o interesse anteriormente não declarado do Loon em aplicações industriais, como servir fazendas e poços de petróleo.

"Com anos de desenvolvimento técnico, mais de 35 milhões de quilômetros voados e centenas de milhares de pessoas conectadas, temos uma grande vantagem inicial e estamos bem posicionados para conectar muitas pessoas e aproveitar as oportunidades que surgem", disse Westgarth.

(Fonte: Paresh Dave) - 01/07/2019
Conheça o computador monte você mesmo com Windows 10 da Kano

Montar um computador pode não parecer uma atividade para crianças em um primeiro momento. Porém a Kano não parece concordar com essa ideia e decidiu lançar o Kano PC: um kit para montar um computador que pode ser usado por crianças e deve ajudá-las a se interessar não apenas pela montagem mas também pelo desenvolvimento de aplicativos.

Desenvolvido em parceria com a Microsoft, o computador vem com uma versão lite do Windows 10, processador quad-core Intel Atom x5-Z8350 de 1,44 GHz, 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento, que pode ser expandido com um cartão micro SD. Ele ainda conta com um teclado que pode ser separado da tela touchscreen de 11,6 polegadas.

Como o objetivo é estimular o cérebro das crianças, o computador vem com uma série de aplicativos para ensinar de modo lúdico conceitos de codificação e pintura 3D. Para facilitar a montagem do computador, o kit tem um manual ilustrado. E, como algumas peças podem ser substituídas, quando houver algum problema no funcionamento, não será necessário comprar um kit inteiro novamente.

Com previsão de lançamento para outubro, o Kano PC será vendido por US$ 300 (cerca de R$ 1.150). O computador já está em pré-venda no site da Kano e em breve deverá chegar também à Microsoft Store.


(Fonte: TecMundo) - 01/07/2019
SpaceX lança relógio atômico, propulsor "verde" e vela solar de Carl Sagan

ATUALIZAÇÃO (24/06 às 23h): quase aos 45 do segundo tempo, a SpaceX anunciou às pressas que precisará reagendar o lançamento, que começaria pouco depois da meia-noite, para as 3h30 da madrugada (horário de Brasília). A empresa fez o anúncio em sua conta no Twitter, mas até agora não explicou os motivos para adiar em três horas o lançamento. Abaixo, você confere a matéria original na íntegra:

Na madrugada entre esta segunda (24) e a terça-feira (25), por volta da meia-noite, a SpaceX fará um lançamento mais do que especial: além deste ser o terceiro voo de seu foguete Falcon Heavy, o veículo levará consigo diversas cargas interessantes. Entre elas, um relógio atômico e um propulsor "verde" da NASA, além de uma vela solar que foi idealizada pelo célebre cientista Carl Sagan, cofundador da Sociedade Planetária.

Se essas novas tecnologias se mostrarem resilientes às adversas condições espaciais, elas poderão evoluir para a criação de ferramentas valiosas para o futuro da exploração espacial. Além das cargas científicas, o lançamento envolve ainda 24 satélites do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, e como colocar tantos satélites em órbita duma só vez é uma tarefa delicada, além de posicionar os demais equipamentos, Elon Musk chegou a dizer que este voo será o mais difícil da empresa. É que os 24 satélites precisam ser deixados em três órbitas separadas, então o foguete religará seus motores até quatro vezes dentro de seis horas para que cada satélite seja liberado na hora e posição certa.

Relógio atômico da NASA
O Deep Space Atomic Clock é um pequeno relógio mais ou menos do tamanho de uma torradeira, só que é mais preciso do que qualquer relógio da Terra — que podem acelerar ou desacelerar ao longo do tempo. O relógio atômico levará, em teoria, até 10 milhões de anos para apresentar um descompasso de um segundo.

Um relógio atômico mede quanto tempo leva para pequenas partículas transitarem em diferentes estados de energia, e o Deep Space Atomic Clock funciona manipulando íons. Tubos repletos de íons de mercúrio estão em seu interior, e esses íons são perturbados por meio de micro-ondas ajustadas em uma frequência específica. Com isso, os íons se movem entre diferentes estados de energia.

A NASA já usa relógios baseados em mercúrio aqui na Terra, mas esses aparelhos são enormes — do tamanho de um refrigerador —, com dimensões que impedem seu lançamento ao espaço. E outros relógios atômicos menores chegaram a ser lançados ao espaço pela agência, só que eles não eram capazes de manter sua precisão por tanto tempo quanto será o Deep Space Atomic Clock.

Dessa maneira, o lançamento do novo relógio atômico é uma demonstração da nova tecnologia, com a NASA depois analisando se o relógio baseado em mercúrio com dimensões tão enxutas será capaz de funcionar no espaço e manter precisão por tanto tempo quanto prevê. Testes e análises acontecerão ao longo do próximo ano.

Caso o Deep Space Atomic Clock se mostre um sucesso, a ideia é desenvolver outros relógios atômicos do tipo que poderão ajudar espaçonaves a navegar pelo espaço profundo em um futuro não muito distante. Com a tecnologia atual, naves dependem dos controles terrestres para navegar — sondas em Marte, por exemplo, hoje precisam esperar entre quatro e 20 minutos para receber comandos enviados da Terra. Então, se esses exploradores espaciais do futuro contarem com pequenos relógios atômicos em sua estrutura, eles poderão eliminar essa dependência com o nosso planeta, ficando cada vez mais autônomos e precisos.

Propulsão "verde"
"Verde" no sentido de eliminar o uso de materiais tóxicos de propelentes. O Green Propellant Infusion Mission (GPIM), também da NASA, é um veículo que funciona com um novo tipo de propelente desenvolvido pela Força Aérea dos EUA para servir como uma alternativa à hidrazina, que hoje é usada na maioria dos motores de satélites.

O novo material, caso o teste em órbita seja bem-sucedido, será uma boa notícia à indústria espacial: é que a hidrazina pode ser muito reativa à temperatura ambiente e, com isso, emitir gases tóxicos. Ela é transportada em recipientes metálicos especiais e em caminhões com segurança contra explosivos, e as pessoas que participam do transporte precisam usar equipamentos específicos de proteção. Tudo isso, além de ser perigoso, ainda adiciona mais custos e mais tempo para que esse manejo seja feito.

Já o propulsor "verde" da NASA (nitrato de hidroxilamônio) não emite gases nocivos e, a menos que a temperatura do ambiente esteja realmente alta, não haverá risco. Ainda, o material é mais denso e, por isso, mais eficiente para os satélites. Ou seja: com este propulsor, satélites poderão durar mais tempo em órbita com a mesma quantidade de propelente a bordo.

O GPIM será arduamente testado ao longo do próximo ano no espaço, até que o que restar de combustível será usado para a realização de uma manobra para que ele tenha sua altitude reduzida. Então, ele reentrará na atmosfera da Terra, onde será destruído.



A tecnologia idealizada pelo cofundador da Sociedade Planetária está dando mais passos para, quem sabe, se tornar uma realidade. A ideia é impulsionar naves pelo espaço sem o uso de nenhum tipo de combustível — apenas a luz do Sol.

O veículo chamado LightSail 2 é equipado com uma vela extremamente fina projetada para se expandir a ponto de atingir o tamanho de um ringue de boxe, sendo então movida pelo impulso da luz solar — materiais refletores muito fios conseguem se mover pelo espaço, em teoria, somente com esse impulso luminoso.

Esta ideia foi apresentada por Carl Sagan na década de 1970, e agora o também cientista e ex-aluno de Sagan, Bill Nye (atual CEO da Sociedade), está levando o conceito adiante, transformando-o em realidade. Na verdade, em 2015 a Sociedade Planetária chegou a lançar a missão LightSail 1, que foi projetada para testar o mecanismo de implantação da vela solar. A missão foi um sucesso e permitiu o desenvolvimento da LightSail 2, que será lançada hoje para, enfim, testar a tecnologia como um todo.

Os testes envolverão o seguinte: a LightSail 2 mudará sua posição enquanto viaja ao redor do planeta, seguindo na direção do Sol; depois, ela vai ajustar sua vela para capturar ainda mais luz solar, com esse "empurrão" finalmente impulsionando a nave para uma órbita mais alta ao longo do tempo. Se isso funcionar, essa será a demonstração necessária para provar que é possível lançar naves capazes de fazer manobras no espaço sem o uso de propulsores convencionais. No futuro, a tecnologia poderá ser inicialmente usada em pequenos satélites, liberando espaço para que eles levem consigo mais instrumentos e sensores. Ainda, na teoria a tecnologia pode levar materiais para a Lua e também a Marte.

Assista ao vivo
Importantes lançamentos espaciais costumam ser transmitidos ao vivo pela internet — e este do Falcon Heavy não será diferente. A SpaceX transmitirá tudo em tempo real em seu canal no

YouTube
, e você pode acompanhar pelo vídeo abaixo no final da noite de hoje (24):



Se preferir assistir ao lançamento ouvindo explicações e comentários em português, uma opção legal é assistir à live do Mensageiro Sideral, que começará às 0h15:


Listando: 5 de 1237

Anuncie

Sobre o Portal da 25

O Portal da 25 foi lançado em 01 de maio de 2001, tendo como objetivo principal a divulgação de empresas e produtos comercializados na região da rua 25 de março no centro da cidade de São Paulo, focando-se principalmente em produtos voltados para área pessoal e doméstica.